segunda-feira, 3 de julho de 2017

33. O tropeirismo no estado do Paraná

   

A primeira fase de povoamento iniciada no século XVII foi marcada pela procura do ouro, mas teve também no litoral outra atividade produtiva, como o plantio de arroz e de cana-de-açúcar; este último com a finalidade de produzir a aguardente e o açúcar.
No fim do século XVIII, com o desenvolvimento da atividade mineradora na região das Minas Gerais, o sul do Brasil passou a ter grande importância na criação de gado para abastecer a região do extrativismo de ouro e diamantes.
Nesse período não havia estradas para fazer o transporte do gado que saía principalmente do Rio Grande do Sul. Foi, então, criado o chamado “Caminho das Tropas”, por onde o gado era levado por trilhas que, seguindo pelo litoral, iam até a cidade de Laguna.
O tropeirismo, trabalho de criação, condução e comercialização do gado, teve início em meados do século XVII e foi responsável pela integração entre o litoral e o primeiro planalto, ampliando o povoamento do planalto paranaense e, também, o fluxo de gado do Sul para o centro do país.
Era comum que muitos tropeiros, além de conduzirem tropas, fossem também proprietários de terras. Eles compravam os animais no Rio Grande do Sul para vendê-los em Sorocaba (SP). Cruzavam a região de Curitiba ou qualquer outro ponto intermediário entre a Lapa e Castro, e após viajar o dia todo, pagavam o uso da invernada ao proprietário, ou seja, o aluguel para o descanso das tropas.

Rota dos tropeiros




Rota dos tropeiros


As mulas eram os animais de carga comumente escolhidos para essas empreitadas por serem bastante resistentes, terem grande capacidade de equilíbrio e por passarem por trechos difíceis com muita carga e passividade.
Um desses animais era ensinado para conduzir os demais. Geralmente, tinha--se o costume de se enfeitar a mula-guia com um penacho na cabeça, além de outros ornamentos como conchas e fitas. O animal também carregava um cincerro pendurado ao pescoço. Quanto às demais mulas, eram amarradas umas às outras pelo rabo de modo que caminhassem sempre em linha, de forma que o transporte fosse seguro.
Essa atividade foi fundamental para a ocupação e o povoamento de uma vasta área do território paranaense, hoje nomeada Campos Gerais. Nos locais onde havia os melhores pastos surgiram lugarejos que se tornaram vilas e hoje são cidades, entre as quais estão: Lapa, Jaguariaíva, Iapó (hoje Castro), Santa Cruz (atual Ponta Grossa) e Palmeira.
Dos tropeiros, herdamos muitos costumes alimentares, como o consumo do toucinho, do feijão-preto, da farinha, da pimenta-do-reino, do café, do fubá e do coité. Nos pousos, apreciava-se feijão-preto com pouco molho e com muitos pedaços de carne de sol e toucinho. Esse prato ficou conhecido pelo nome de “feijão-tropeiro” que, como antigamente, é servido com farofa e couve picada. A cachaça fazia parte do cotidiano desses homens, especialmente nos dias de muito frio ou para evitar a picada de insetos.
Entre seus principais utensílios havia uma grande sacola ou baú – em que guardavam suas roupas e outros instrumentos de valor, bem como uma sela cheia de instrumentos que se suspendia em pesados estribos. Costumava-se chamar de “malotagem” os apetrechos e arreios necessários de cada animal e de “broaca” os bolsões de couro que iam sobre a “cangalha” para guardar mais mercadorias.
Algumas profissões que conhecemos atualmente são oriundas do desenvolvimento das viagens sertanistas no estado, tais como a de rancheiro (dono de rancho) e a de ferrador (responsável) por pregar as ferraduras nos animais das tropas e que, às vezes, também atuava como veterinário). Peão era todo amansador de equinos e muares à moda do sertão.

DEBRET, Jean-Baptiste. Castro (Iapó). 1827.







DEBRET, Jean-Baptiste. Castro (Iapó). 1827.




Glossário


Cincerro: chocalho ou sineta colocado no pescoço de um animal preso a uma coleira. É comum em bovinos ou equinos para guiar uma tropa ou o gado.
Coité: molho de vinagre com fruto cáustico espremido.




       

       


       












Recomendamos para você:


Swish Swish - Katy Perry feat. Nicki Minaj

Swish Swish - Tradução em Português

Swish Swish - La traducción en Español

Swish Swish

Swish Swish - Estrelando Gretchen

História Resumo

Cronologia do Universo

Cronologia da Terra

Pré-História

Idade Antiga

Idade das Religiões

Versos íntimos - Augusto dos Anjos

O Navio Negreiro

Real Hitta - Plies feat. Kodak Black

It Ain't My Fault - Brothers Osborne

What Ifs - Kane Brown Featuring Lauren Alaina

Feel It Still - Portugal. The Man

My Old Man - Tradução em Português

Relationship - Tradução em Português

First Day Out - Tradução em Português

Billboard Hot 100

It's A Vibe - Tradução em Português

Feels - Tradução em Português

Wild Thoughts - DJ Khaled feat. Rihanna & Bryson Tiller

Wild Thoughts - Tradução em Português

Wild Thoughts - La traducción en Español

Wild Thoughts - Song Lyrics

Sanderlei Silveira

Slippery - Migos Featuring Gucci Mane

Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Closer - The Chainsmokers ft. Halsey

Mask Off - Future

Chill Bill - Rob $tone ft. J. Davi$ & Spooks

Sanderlei Silveira

Canção do exílio - Gonçalves Dias

Amor é fogo que arde sem se ver

Marabá Poema - Gonçalves Dias

Versos íntimos - Augusto dos Anjos

Ismalia - Alphonsus de Guimaraens

Sanderlei Silveira

A representação do espaço paulista

As festas populares no estado de São Paulo

Santa Catarina - Representação e Localização

As festas populares em Santa Catarina

A organização do espaço geográfico brasileiro

Os ciclos da economia do Mato Grosso do Sul

O espaço geográfico e sua organização

Swish Swish - Katy Perry feat. Nicki Minaj

Swish Swish - Tradução em Português

Swish Swish - La traducción en Español

Swish Swish - Estrelando Gretchen

Amor é fogo que arde sem se ver - Luís Vaz de Camões

Economia

SONG LYRICS

POEMA

BÍBLIA ONLINE

DOM CASMURRO

O Diário de Anne Frank – Fotos

HISTÓRIA

HISTORY

HISTORIA

#JustGo

#Sanderlei

#SanderleiSilveira

by Sanderlei Silveira -  http://sanderlei.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário